mães (e pais também)

 

} os arquivos

04/01/2003 - 05/01/2003
05/01/2003 - 06/01/2003
06/01/2003 - 07/01/2003
07/01/2003 - 08/01/2003
08/01/2003 - 09/01/2003
09/01/2003 - 10/01/2003
10/01/2003 - 11/01/2003
03/01/2004 - 04/01/2004
04/01/2007 - 05/01/2007
<< presente

} as mães (e os pais também)

anne
carla
catarina
filipe
isabel
margarida
rosa
rui
...

} os nossos blogs

a ervilha cor de rosa
cochinilha
fetal blog
monólogo
uma vista daqui
waltzing man
...

} O blog

mothern

} e os outros

blog de uma ervilha
loobylu
as desalinhadas
...

} alguns posts

fathern, é possível não ser um?
escolas e infantários
vacinas, registos e burocracias mil
ar livre
a roda das camas
acerca da inteligência

} passear

tempo
parques de monsanto
...

} cuidar

la leche league
...

} grávidas

calendário da gravidez
amigas do parto [.br]
...

} o indispensável

Saúde 24: 808242400

} o contacto

e-mail


quinta-feira, julho 31, 2003

 
Chegaram as férias!!!!!
Lista de preocupações partilhável:
Protector solar factor 50 para o Gabriel (7 meses).
Protector solar factor 40 para o Tomás (25 meses).
Protector solar factor 35 para mim (432 meses).
Capacete de bicicleta, joalheiras e cotoveleiras para o Tomás (comprei uma cadeirinha para o levar a reboque comigo - a propósito destas cadeirinhas de bicicleta: não poupem dinheiro quando comprarem coisas destas - aqui o poupar pode mesmo sair caro, e às diferenças de preço correspondem mesmo diferenças de segurança, simplicidade e durabilidade...).
Spray para as melgas.
Biberons de água.
Cintos de segurança colocados em todas as situações e mais algumas.
Na estrada, a "paz" ainda não chegou, por isso fazer várias paragens, fazer da viagem um momento de descontração, e manter as distâncias de segurança aos outros veículos como regra de oiro, muita sinalização e nada de hesitações!!!
Até Setembro!!!
Um abraço. {

dito por Rui às 11:39:00 da manhã
}

 
uma pessoa fundamental na vida do meu Pedro, está a atravessar um momento muito difícil. disse-me na última conversa que tivemos, que o meu filho era muito especial. noutra ocasião, que recordo recorrentemente, dizia ela ao pedro, "Deus queira que sejas assim toda a tua vida" (referia-se à sua alegria e qualidades de pantomineiro, sempre divertido e a provocar o riso nele e nos outros)
queria dizer à querida A que não há palavras que possam explicar a gratidão que sinto por tudo o que é na nossa vida. pelo papel que tem na vida do pedro. por tudo o que já lhe ensinou. pelo carinho. pelo amor. precisamos muito que melhore muito rapidamente, que volte a invadir-nos com a sua presença segura e maravilhosa. até breve, A. {

dito por isabel às 12:44:00 da manhã
}


domingo, julho 20, 2003

 
anteontem na fnac do colombo, enquanto nós tomávamos cafézinho, o pedro, entreteve-se na secção dos livros infantis. às tantas, estava uma mãe, a ler uma história ao pedro e às duas filhas. fiquei muito sensibilizada, primeiro porque o pedro estava encantado com tantas atenções e depois porque a senhora parecia encantada com o interesse do pedro. numa altura em que alertar os nossos filhos para os "perigos que os estranhos representam" está na cabeça de todos os pais, é bom apercebermo-nos que apesar de tudo, há pessoas (que não conhecemos) em que podemos confiar {

dito por isabel às 4:01:00 da tarde
}


sábado, julho 12, 2003

 
Epifanias II
A educadora do Tomás disse-me que ele tem muito jeito para a pintura e para os trabalhos manuais...
Como é uma coisa tão trivial pode ser tão esmagadoramente forte?
É que o avô do Tomás era pintor, escultor e ilustrador, os tios desse lado desenham bem e há primos que pintam e desenham... enquanto que o pai, apesar de já ter tido melhores dias, lá vai andando...
Claro que estávamos a olhar para desenhos pré-fabricados de laranjas, banana e maçãs, cujos espaços interiores os bebés preencheram com tintas e fita-cola colorida, e também é verdade que no meio da exposição de fim-de-dia não dava bem para distinguir o estilo particular do meu futuro artista, mas quando ela me disse que o Tomás tinha jeito para aquilo estremeci da cabeça aos pés...
Será que ela diz aquilo a todos os pais...?! {

dito por Rui às 11:57:00 da tarde
}


quinta-feira, julho 10, 2003

 
ouvi um dia o pedopsiquiatra Pedro Strech, dizer que há uma grande diferença entre gostar e cuidar de um filho. para cuidar, o nível de exigência física e mental, de organização da vida do dia a dia, de planeamento é enorme.
e eu digo por experiência própria, que muitas vezes, é desgastante, cansativo e que às vezes até desanimo um bocadinho...
{

dito por isabel às 11:49:00 da tarde
}


quarta-feira, julho 09, 2003

 
Desabafo
De um dos meus blogs preferidos (o de uma mothern ilustradora e australiana):
(...) I am not eating so well - lots of chocolate and treats and too much toast and not enough greens. I have lost so much weight due to the breast feeding over the last 9 months that I have stopped even thinking about what I eat. The more the better is my only food thought these days. But I think I am needing an energy boost. (...)

Também me sinto um bocado assim. Sou adepta fervorosa da amamentação tão prolongada quanto possível (tanto que quando estava grávida quase me ofendia quando perguntavam se ia dar de mamar) e tenho a certeza de que me vou sentir inútil e rejeitada quando a E. começar a comer alguma coisa para além do que eu produzo. Mas a verdade é que dar de mamar cansa. E cansa muito. Tal como a Claire, dou comigo a pensar na comida literalmente como combustível e a deglutir sem mastigar (que, como diz a minha avó, tem como resultado nem nutrição, nem paladar) só para garantir o trabalhar da máquina. E tenho imenso sono. Quase como nos primeiros meses de gravidez. Quatro meses passados desde o parto e ainda não tenho a produtividade de um dia normal de trabalho. É mais uma daquelas coisas que se deviam explicar nas aulas de preparação para o parto. {

dito por Rosa Pomar às 9:53:00 da manhã
}


segunda-feira, julho 07, 2003

 
Acerca da inteligência
Isabel, eu acho especialmente interessante o assunto da inteligência, não só das crianças, e não só num contexto escolar, mas em termos mais abrangentes. Num certo sentido, e porque as relações, precisamente por serem relações, envolvem sempre duas ou mais pessoas (mesmo quando uma delas é um bebé), acho a questão da inteligência dos pais tão importante como a questão da inteligência das crianças, e por outro lado, porque a questão da inteligência está subjacente à questão da comunicação. Ora aquilo que eu acho fascinante é pensar a inteligência como espectro de relacionamento e comunicação multifacetado - sobretudo no plano das expressões: a pintura como inteligência (ou pensamento), a inteligência (ou pensamento) musical, corporal, da percepção sensível, etc. Felizmente os psicólogos têm vindo a modificar a sua forma de abordar a questão da sobredotação, denominada agora apenas como dotação. E a questão fundamental é como proporcionar aos nossos filhos experiências suficientes para eles encontrarem as suas dotações, as suas vocações (ou chamamentos interiores), mais ou menos temporárias, não importa... como fazer isso, onde fazer isso, considerando que, a maioria de nós, nem das nossas próprias inteligências temos tempo de tratar... antes pelo contrário (seja lá o que for que isto queira dizer...)... {

dito por Rui às 6:05:00 da tarde
}


sábado, julho 05, 2003

 
Acabou o ano lectivo. A minha menina terminou o segundo ano de escolaridade.
Nos dias seguintes, muita gente lhe perguntava "então, passaste?" e ela muito aflita "não sei..." o que, entre quem a conhece, provocava doses de riso. Segundo a professora me explicou na reunião que tivemos na quinta-feira, por haver na classe uma aluna em risco de ficar "retida" resolveu não dizer a ninguém explicitamente se passava ou ficava. Com a Mariana, isto acabou por funcionar de uma forma engraçada, já que ela, sem estar aflita, acho que interiorizou que a passagem de ano, tem a ver com objectivos cumpridos, e isso não me parece uma coisa de somenos importância...

Falar de aprendizagem e de sucesso escolar, é falar de algo, que usualmente, é muito significativo para os pais. Para mim também.
Nas crenças, opiniões e pensamentos que temos acerca do desenvolvimento da criança a imagem do "sucesso escolar" associado à "inteligência" é usual e muito difundido. Talvez por isso, gostava de deixar aqui uma mensagem aos pais que por esta altura estejam mais preocupados com o desempenho dos filhos, em primeiro lugar, que a inteligência é um conceito multifactorial, e quando o reduzimos à prestação escolar, estamos a truncá-lo (prova disso é a frequência de casos de crianças com dificuldades de aprendizagem que revelam elevados scores nos testes de QI, apesar de eu pessoalmente não ser uma adepta fervosa dos testes), em segundo, nem sempre a escola está preparada para lidar com o desenvolvimento idiossincrático de cada criança, usual é tratar todas as crianças como iguais e esperar que todas elas respondam de igual forma ao processo de ensino-aprendizagem, ora isto, parece-me "um erro fundamental". E por último, não sei se conhecem um efeito que tem sido muito desenvolvido em psicologia e que se chama, "efeito de pigmaleão". Muito suscintamente, este efeito tem a ver com a importância das expectativas no comportamento dos que lidam com a criança, pais e educadores, e resume-se assim: se uma pessoa tem expectativas baixas acerca do desempenho da criança, o seu comportamento (mesmo que sem disso tenha consciência) irá moldar esse desempenho. Num estudo pioneiro, realizado nos anos 70, nos EUA, foram informados os professores de que na sua classe havia alunos especialmente dotados intelectualmente (a escolha dos alunos tinha sido realizada de forma aleatória entre alunos com prestações abaixo da média). O que se passou a seguir, foi que esses alunos, rapidamente passaram a ter desempenhos acima da média. O que é que mudou? Somente as expectativas do professor e os comportamentos de feedback que passou a usar para com estes alunos. É por estas coisas que eu fico arrepiada quando vejo uma mãe dizer ao filho "és mesmo um burro" (e tenho ouvido muitas vezes, infelizmente).
Voltarei a este tema um dia destes.
A quem achou neste post algum interesse, gostava de ter outras opiniões acerca deste assunto.
Adeus {

dito por isabel às 2:34:00 da tarde
}